sábado, 26 de maio de 2012

Homilia Dominical - 27 de maio de 2012


O ESPÍRITO SANTO


ÁGUA PARA A SEDE - CONCRETIZAÇÃO DAS POTENCIALIDADES HUMANAS
(Liturgia do Domingo da Solenidade de Pentecostes)
Por muitos séculos, no Ocidente, o tempo é medido tendo o nascimento de Cristo como o ano zero. Na verdade, a Encarnação de Jesus é um evento sem precedentes, que mudou para sempre o curso da história. Um evento impensável se não tivesse sido anunciado nas Sagradas Escrituras.
Jesus veio revelar-nos a face de Seu Pai. Revelou a identidade de Deus, mas nos revelou também a identidade do verdadeiro homem-mulher criado à imagem e semelhança de Deus.  Sua missão é salvar-nos dos pecados e “resgatar” a criação e proclamar e estabelecer o Reino de Deus, que tem por lei suprema o mandamento do amor.
Mas há outro evento, de igual importância, que talvez não tenha recebido da humanidade a ênfase que mereceria receber. Refiro-me à vinda do Espírito Santo no dia de Pentecostes. A Solenidade que estamos celebrando neste domingo, ao encerrar, na liturgia, o tempo pascal.
Fico impressionado sempre que me ponho a pensar na vida dos apóstolos! É outra coisa, após a descida do Espírito Santo. Um vento forte entrou no recinto onde eles estavam e apareceram, sobre suas cabeças, línguas de fogo. Foi assim que os discípulos receberam o Espírito Santo, o amor de Deus derramado como um fogo! Foi então que de homens fracos, os apóstolos se tornaram "muito fortes". De homens medrosos, tornaram-se homens corajosos.  Eram homens ignorantes, e passaram a ser sábios. Não são mais agora homens de disputas e rivalidades, mas homens da unidade. Eram homens frágeis, mas agora são homens capazes de tudo, até mesmo de realizar, milagres e de enfrentar o martírio, em nome do Senhor.
É em Pentecostes, com a vinda do Espírito Santo, que o projeto de Deus alcança a sua perfeição, a sua linha de chegada! A consequência é que o fruto do Espírito somos nós, os cristãos, que podemos, com a força do Espírito, nos tornar como Jesus. O que aconteceu com os discípulos no dia de Pentecostes, deve acontecer conosco!
Assim aconteceu ao longo dos séculos com todos os homens e mulheres que mostraram ser "Templo do Espírito Santo" em seus próprios corpos. O Paráclito os inseriu na vida divina e no amor que vai além da natureza humana e para além da morte. Graças ao Pentecostes vivemos, portanto, este nosso tempo, que não teria sido o mesmo se não tivesse vindo o Espírito Santo. Não haveria nenhum cristianismo.  Não teríamos um amor filial à Maria. A África não teria visto um Agostinho. Não teríamos conhecido um Inácio de Antioquia. A Índia não teria nos dado uma Tereza de Calcutá, nem a Europa, um São Bento, ou uma Santa Luzia.  A América Latina não conheceria Juan Diego e o nosso Brasil, não teria uma Irmã Dulce, Chico Mendes e para ser mais atual, Irmã Dorothy Stang. No mundo inteiro não haveria tantos homens e mulheres dessa categoria! Esses heróis e heroínas não existiriam e nós, continuaríamos a ser escravos da lei, apenas talvez, com uma percepção ou intuição superficial de Deus, com uma sede mais frustrante, à mercê de nossos instintos e humores.
É por isso que não seria um absurdo, pelo menos para os homens e mulheres de fé e no sentido da fé, dividir a história em antes e depois da vinda do Espírito Santo. Na verdade, esta maneira de dividir o tempo seria, talvez, mais compreensível, haja vista que a mudança definitiva do ser humano se deu com a descida do Paráclito. Antes da vinda do Espírito, na verdade, o homem tinha, no máximo, apenas uma intuição de Deus, e assim permanecia mesmo diante do Filho Jesus quando falava, operava milagres e morria por amor às criaturas. Uma intuição companheira da dúvida, mesmo entre os profetas, do “calibre” de Moisés ou João Batista.
A importância da vinda do Espírito é tanta que, durante a última Ceia, faz com que Jesus afirme: "É bom para vós que eu vá. Se eu não for, o Defensor não virá a vós. Mas, se eu for, eu O enviarei a vós”! (Jo 16,7). Fez também com que dissesse no diálogo com a Samaritana à beira do poço: “Se conhecêsseis o dom de Deus e quem é aquele que te diz: dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva” (Jo 4,10ss).
O Espírito Santo, que procede de Deus Pai e é enviado pelo Filho é, portanto, a água viva para a nossa necessidade de viver. Porque todos nós temos sede de vida, sede de amor e de felicidade. Todos nós temos sede de verdade, sede de Justiça e de paz. Todos temos sede! A "sede" é nossa necessidade de criaturas, e manifesta nosso ser "finito". O Espírito Santo, como água é o dom do Pai Criador às Suas criaturas, para satisfazer as nossas necessidades sobrenaturais, isto é, "infinita", para que satisfaça o nosso desejo e necessidade de ser cada vez mais imagem e semelhança de Deus, em Cristo Jesus.
A Trindade não se limita ao tempo através do qual somente podemos ver a intervenção do Pai, do Filho e do Espírito Santo em três momentos diferentes. Na verdade, o amor de Deus é realizado em um único momento e opera numa única substância. É através do Espírito Santo que nós também podemos entrar nesse mistério Trinitário. É pelo Espírito que seremos capazes de viver já e hoje a eternidade, transpassados pelo amor de Deus e nos tornarmos uma nova humanidade, de acordo com o sonho de Deus.
Não seria demais afirmar que aqueles que se colocam sob a força animadora do Espírito Santo e vivem sob a Sua unção, fazem qualquer coisa com um "espírito", no mínimo, diferente. Para estes os sofrimentos do momento presente são incomparáveis em relação à glória prometida e esperada! Conseguem amar até mesmo os inimigos e viver na alegria. Com a efusão do Espírito Santo a Páscoa é perfeita! Aquilo que, até então, existia em potência, se exprime concretizando-se plenamente! A partir do Pentecostes o conceito ou a palavra "impossível" não existe mais, nem mesmo no vocabulário humano. (Frei Alfredo Francisco de Souza, SIA – Superior dos Missionários Inacianos – formador@inacianos.org.br – Website: www.inacianos.org.br).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...