quarta-feira, 23 de maio de 2012

Novena de Pentecostes

VINDE ESPÍRITO SANTO
ORAÇÃO INICIAL  1:
Ó Espírito Santo,
Amor do Pai e do Filho
Inspira-me sempre
O que devo pensar
O que devo dizer
Como devo dizer
O que devo calar
O que devo escrever
Como devo agir
O que devo fazer
Para buscar a tua glória
O bem das pessoas
E a minha própria santificação.
Ó Jesus, em Ti está toda a minha confiança.
Amém.

ORAÇÃO INICIAL  2:
Vinde, Ó Espírito Santo, Santificador onipotente, Deus de amor. Vós que cumulastes de graças a Virgem Maria, transformastes prodigiosamente os corações dos Apóstolos e dotastes de extraordinário heroísmo a todos os mártires, vinde santificar-nos.
Iluminai a nossa inteligência, fortificai a nossa vontade, purificai a nossa consciência, retificai o nosso juízo, tomai posse do nosso coração e preservai-nos da desgraça de resistir às vossas inspirações. Amém.
1º DIA – TEMA: DO CORAÇÃO DE JESUS RECEBEMOS O ESPÍRITO SANTO
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO: "Se Me amardes, guardareis os meus mandamentos. E Eu suplicarei ao Pai e Ele dar-vos-á outro Consolador, a fim de permanecer convosco para sempre" (Jo 14, 15-16)
REFLEXÃO:  No contexto da Última Ceia, o Senhor Jesus disse aos seus discípulos:  "Se Me amardes, guardareis os meus mandamentos. E Eu suplicarei ao Pai e Ele dar-vos-á outro Consolador, a fim de permanecer convosco para sempre" (Jo 14, 15-16). Aqui revela-se-nos o Coração orante de Jesus, o seu Coração filial e fraterno. Esta oração alcança o seu ápice e o seu cumprimento na cruz, onde a invocação de Cristo se identifica com o dom total que Ele faz de si mesmo, e deste modo o seu rezar torna-se por assim dizer o próprio selo do seu doar-se em plenitude por amor ao Pai e à humanidade:  invocação e doação do Espírito Santo encontram-se, compenetram-se e tornam-se uma única realidade. "E Eu suplicarei ao Pai e Ele dar-vos-á outro Consolador, a fim de permanecer convosco para sempre". Na realidade, a oração de Jesus – a da Última Ceia e a da cruz – é uma oração que permanece também no Céu, onde Cristo está sentado à direita do Pai. Com efeito, Jesus vive sempre o seu sacerdócio de intercessão a favor do povo de Deus e da humanidade, e portanto reza por todos pedindo ao Pai o dom do Espírito Santo.
MEDITAÇÃO
CANTO:
2º DIA – TEMA: MARIA, TEMPLO DO ESPÍRITO SANTO
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO: “Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança se agitou no seu ventre, e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. ‘Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar? Bem-aventurada aquela que acreditou, porque vai acontecer o que o Senhor lhe prometeu’”. (Lc 1, 41.43.45)
REFLEXÃO:  Foi uma espécie de pequeno "pentecostes", que fez jorrar a alegria e o louvor dos corações de Isabel e de Maria, uma estéril e a outra virgem, e ambas se tornaram mães graças à extraordinária intervenção divina (cf. Lc 1, 41-45).
Maria diz-nos que todos somos chamados a abrir-nos à ação do Espírito Santo para podermos chegar, no nosso destino final, a ser imaculados, plena e definitivamente livres do mal. Diz-nos isto com a sua própria santidade, com um olhar cheio de esperança e de compaixão. O olhar de Maria é o olhar de Deus sobre cada um. Ela olha com o mesmo amor do Pai e abençoa-nos. Comporta-se como nossa «advogada» — e assim invocamo-la na Salve, Regina: «Advocata nostra». Mesmo se todos falassem mal de nós, ela, a Mãe, falaria bem, porque o seu Coração imaculado está sintonizado com a misericórdia de Deus. Assim ela vê a nossa Cidade: não como um aglomerado anônimo, mas como uma constelação na qual Deus conhece todos pessoalmente pelo nome, um por um, e nos chama a resplandecer com a sua luz. E aqueles que aos olhos do mundo são os primeiros, para Deus são os últimos; os que são pequeninos, para Deus são grandes. A Mãe olha para nós como Deus olhou para ela, humilde jovem de Nazaré, insignificante aos olhos do mundo, mas escolhida e preciosa para Deus. Reconhece em cada um a semelhança com o seu Filho Jesus, mesmo se nós somos tão diferentes! Mas quem mais do que ela conhece o poder da Graça divina? Quem melhor do que ela sabe que nada é impossível para Deus, capaz até de tirar o bem do mal? Ó Virgem Maria, Esposa do Espírito Santo, intercede por nós! Amém.
MEDITAÇÃO
CANTO:

3º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO É VENTO IMPETUOSO DE CARIDADE
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO: “Quando chegou o dia de Pentecostes, todos eles estavam reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho como o sopro de um forte vendaval, e encheu a casa onde eles se encontravam.” (At 2, 2-4)

REFLEXÃO:  Para indicar o Espírito Santo, na narração do Pentecostes os Atos dos Apóstolos recorrem a duas imagens principais: a imagem da tempestade e do fogo. Claramente, São Lucas tem em mente a teofania do Sinai, descrita nos livros do Êxodo (cf. 19, 16-19) e do Deuteronômio (cf. 4, 10-12.36). No mundo antigo, a tempestade era vista como um sinal do poder divino, em cuja presença o homem se sentia subjugado e aterrorizado, mas gostaria de sublinhar também mais um aspecto:  a tempestade é descrita como "vento impetuoso", e isto faz pensar no ar, que distingue o nosso planeta dos outros astros e nos permite viver nele. O que o ar é para a vida biológica, o Espírito Santo é para a vida espiritual; e dado que existe uma poluição atmosférica que envenena o ambiente e os seres vivos, assim há também uma poluição do coração e do espírito, que mortifica e envenena a existência espiritual. Do mesmo modo como não podemos habituar-nos aos venenos do ar —  e por isso o compromisso ecológico representa hoje em dia uma prioridade —  da mesma forma deveríamos agir com relação àquilo que corrompe o espírito. No entanto, parece que a muitos produtos que poluem a mente e o coração, e que circulam nas nossas sociedades, por exemplo, as imagens que espetacularizam o prazer, a violência e o desprezo pelo homem e pela mulher, a isto parece que nos habituamos sem dificuldades. Também isto é liberdade, diz-se, sem reconhecer que tudo aquilo que polui, intoxica a alma principalmente das novas gerações e acaba por condicionar a sua própria liberdade. A metáfora do vento impetuoso do Pentecostes faz pensar no modo como, ao contrário, é precioso respirar o ar puro, quer com os pulmões, o ar físico, quer com o coração, o ar espiritual, o ar salubre do espírito que é a caridade!
MEDITAÇÃO
CANTO:

4º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO ACENDE EM NÓS O FOGO DO AMOR
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO:  “Apareceram então umas como línguas de fogo, que se espalharam e foram pousar sobre cada um deles. Todos ficaram repletos do Espírito Santo.” (At 2, 2-4)
REFLEXÃO:  No Pentecostes, o Espírito Santo manifesta-se como fogo. Como na sarça ardente, a chama do Espírito Santo arde mas não queima. E todavia, ela realiza uma transformação, e por isso deve consumir algo no homem, as escórias que o corrompem e o impedem nas suas relações com Deus e com o próximo. Porém, este efeito do fogo divino assusta-nos, temos medo de nos "queimar", preferiríamos permanecer assim como somos. Isto depende do fato que muitas vezes a nossa vida é delineada segundo a lógica do ter, do possuir, e não do doar-se. Muitas pessoas crêem em Deus e admiram a figura de Jesus Cristo, mas quando se lhes pede que abandonem algo de si mesmas, então elas recuam, têm medo das exigências da fé. Existe o temor de ter que renunciar a algo de bonito, ao que estamos apegados; o temor de que seguir Cristo nos prive da liberdade, de certas experiências, de uma parte de nós mesmos. Por um lado, queremos permanecer com Jesus, segui-lo de perto, e por outro temos medo das consequências que isto comporta.
Caras irmãs, temos sempre necessidade de ouvir o Senhor Jesus dizer-nos aquilo que Ele repetia aos seus amigos:  "Não tenhais medo!". Como Simão Pedro e os outros, temos que deixar que a sua presença e a sua graça transformem o nosso coração, sempre sujeito às debilidades humanas. Temos que saber reconhecer que perder algo, aliás, perder-se a si mesmo pelo Deus verdadeiro, o Deus do amor e da vida, é na realidade ganhar, encontrar-se mais plenamente a si próprio. Quem se confia a Jesus experimenta já nesta vida a paz e a alegria do coração, que o mundo não pode dar, e nem sequer pode tirar, uma vez que foi Deus quem no-las concedeu. Portanto, vale a pena deixar-se tocar pelo fogo do Espírito Santo! A dor que nos causa é necessária para a nossa transformação. É a realidade da cruz:  não é por acaso que, na linguagem de Jesus, o "fogo" é sobretudo uma representação do mistério da cruz, sem o qual o cristianismo não existe. Por isso, iluminados e confortados por estas palavras de vida, elevemos a nossa invocação:  Vinde, Espírito Santo! Ateai em nós o fogo do vosso amor!
MEDITAÇÃO
CANTO:

5º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO MANIFESTA-SE COMO POMBA E NOS CAPACITA PARA CUMPRIR A VONTADE DO PAI
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
REFLEXÃO:  O batismo de Jesus, que hoje insere-se na lógica da humildade: é o gesto daquele que quer tornar-se um de nós, que se põe em fila juntamente com os pecadores; Ele, que é sem pecado, deixa-se tratar como pecado (cf. 2 Cor 5, 21), para carregar nos seus ombros o peso da culpa da humanidade inteira. A sua humildade é definida pelo desejo de estabelecer uma comunhão plena com a humanidade, pelo desejo de realizar uma verdadeira solidariedade com o homem e com a sua condição. O gesto de Jesus antecipa a Cruz, a aceitação da morte pelos pecados do homem. Este gesto de humilhação, com que Jesus quer identificar-se totalmente com o desígnio de amor do Pai, manifesta a plena sintonia de vontade e de intenções que existe entre as Pessoas da Santíssima Trindade. Mediante este gesto de amor, o Espírito de Deus manifesta-se como pomba e desce sobre Ele, e naquele momento o amor que une Jesus ao Pai é testemunhado — a quantos assistem ao batismo — por uma voz vinda do alto, que todos ouvem. O Pai manifesta abertamente aos homens a profunda comunhão que o une ao Filho: a voz que ressoa do alto, testemunha que Jesus é totalmente obediente ao Pai, e que esta obediência constitui a expressão do amor que os une entre si. Por isso, o Pai põe a sua complacência em Jesus, porque reconhece no agir do Filho o desejo de cumprir em tudo a sua vontade: «Eis o meu Filho muito amado, no qual pus toda a Minha complacência» (Mt 3, 17). E esta palavra do Pai alude também, antecipadamente, à vitória da ressurreição.
TEXTO BÍBLICO:

MEDITAÇÃO
CANTO:

6º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO É ÁGUA VIVA
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO:  “Se você conhecesse o dom de Deus, e quem lhe está pedindo de beber, você é que lhe pediria e ele daria a você água viva.(...) A água que eu lhe darei, vai se tornar dentro dele uma fonte de água que jorra para a vida eterna” (Jo 4,10.14)
REFLEXÃO:  Jesus tem água de vida, que sacia toda a sede; e esta água é o seu próprio Espírito. No encontro com a Samaritana ressalta-se em primeiro plano o símbolo da água, que alude claramente ao sacramento do Batismo, nascente de vida nova para a fé na Graça de Deus. Com efeito, este Evangelho faz parte do antigo itinerário de preparação dos catecúmenos para a iniciação cristã, que ocorria na grande Vigília da noite de Páscoa. «Aquele que beber da água que eu lhe der — diz Jesus — jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der tornar-se-á nele a fonte de água, que há de jorrar para a vida eterna» (Jo 4, 14). Esta água representa o Espírito Santo, o «dom» por excelência que Jesus veio trazer da parte de Deus Pai. Quem renasce da água e do Espírito Santo, ou seja, no Batismo, entra numa relação real com Deus, uma relação filial, e pode adorá-lo «em espírito e verdade» (Jo 4, 23.24), como revela de novo Jesus à mulher samaritana. Graças ao encontro com Jesus Cristo e ao dom do Espírito Santo, a fé do homem alcança o seu cumprimento, como resposta à plenitude da revelação de Deus.
Cada um de nós pode identificar-se com a mulher samaritana: Jesus espera-nos para falar ao nosso, ao meu coração. Permaneçamos um momento em silêncio, no nosso quarto, ou numa igreja, ou num lugar afastado. Ouçamos a sua voz que nos diz: «Se conhecesses o dom de Deus...». A Virgem Maria nos ajude a não faltar a este encontro, do qual depende a nossa verdadeira felicidade.
MEDITAÇÃO
CANTO:

7º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO GERA UNIDADE
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO: “Todos ficaram repletos do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem. ‘Cada um de nós em sua própria língua os ouve anunciar as maravilhas de Deus’!” (At 2, 4.11)
REFLEXÃO:  Do Filho de Deus morto e ressuscitado, que voltou para o Pai, emana sobre a humanidade com energia inédita o sopro divino, o Espírito Santo. E o que produz esta nova e poderosa autocomunicação de Deus? Onde existem lacerações e estraneidades, ela cria unidade e compreensão. Tem início um processo de reunificação entre as partes da família humana, divididas e dispersas; as pessoas, muitas vezes reduzidas a indivíduos em competição ou em conflito entre si, alcançadas pelo Espírito de Cristo, abrem-se à experiência da comunhão, que pode empenhá-las a ponto de fazer delas um novo organismo, um novo sujeito:  a Igreja. Este é o efeito da obra de Deus:  a unidade; por isso, a unidade é o sinal de reconhecimento, o "cartão de visita" da Igreja no curso da sua história universal.
Amados irmãos, disto deriva um critério prático de discernimento para a vida cristã:  quando uma pessoa, ou uma comunidade, se fecha no seu próprio modo de pensar e de agir, é sinal que se afastou do Espírito Santo. O caminho dos cristãos e das Igrejas particulares deve confrontar-se sempre com o da Igreja, una e católica, e harmonizar-se com ele. Isto não significa que a unidade criada pelo Espírito Santo é uma espécie de igualitarismo. Pelo contrário, ela é sobretudo o modelo de Babel, ou seja, a imposição de uma cultura da unidade que poderíamos definir "técnica". Com efeito, a Bíblia diz-nos (cf. Gn 11, 1-9) que em Babel todos falavam uma só língua. Pelo contrário, no Pentecostes os Apóstolos falam línguas diferentes, de modo que cada um compreenda a mensagem no seu próprio idioma. A unidade do Espírito manifesta-se na pluralidade da compreensão. A Igreja é por sua natureza una e múltipla, destinada como está a viver em todas as nações, em todos os povos e nos mais diversificados contextos sociais. Ela responde à sua vocação, de ser sinal e instrumento de unidade de todo o gênero humano (cf. Lumen gentium, 1), apenas se permanece autônoma de qualquer Estado e de toda a cultura particular. Sempre e em cada lugar, a Igreja deve ser verdadeiramente católica e universal, a casa de todos, onde cada um se pode encontrar.
MEDITAÇÃO
CANTO:

8º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO VENCE O MEDO
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO: “(...) ‘Senhor, olha as ameaças que fazem e concede que os teus servos anunciem corajosamente a tua palavra. Estende a mão para que se realizem curas, sinais e prodígios por meio do nome do teu santo servo Jesus’. Quando terminaram a oração, estremeceu o lugar em que estavam reunidos. Todos, então, ficaram cheios do Espírito Santo e, com coragem, anunciavam a Palavra de Deus.” (At 4 29-31)
REFLEXÃO:  o Espírito Santo vence o medo. Sabemos como os discípulos se tinham refugiado no Cenáculo depois do aprisionamento do seu Mestre e aí permaneceram segregados com o temor de padecer a mesma sorte. Depois da ressurreição de Jesus, este seu medo não desapareceu repentinamente. Mas eis que no Pentecostes, quando o Espírito Santo pairou sobre eles, os homens saíram sem temor e começaram a anunciar a todos a boa notícia de Cristo crucificado e ressuscitado. Não tinham medo algum, porque se sentiam nas mãos do mais forte. Sim, queridos irmãos e irmãs, onde entra, o Espírito de Deus afasta o medo; faz-nos conhecer e sentir que estamos nas mãos de uma Onipotência de amor:  independentemente do que acontece, o seu amor infinito não nos abandona. Demonstram-no o testemunho dos mártires, a coragem dos confessores da fé, o impulso intrépido dos missionários, a sinceridade dos pregadores e o exemplo dos missionários, alguns dos quais são inclusive adolescentes e crianças. Demonstra-o a própria existência da Igreja que, não obstante os limites e as culpas dos homens, continua a atravessar o oceano da história, impelida pelo sopro do Espírito e animada pelo seu fogo purificador. Com esta fé e esta esperança jubilosa repitamos no dia de hoje, por intercessão de Maria:  "Enviai o vosso Espírito, Senhor, para renovar a face da terra!".
MEDITAÇÃO
CANTO:

9º DIA – TEMA: O ESPÍRITO SANTO É SOPRO DE VIDA, NA ALEGRIA
Invocação ao Espírito Santo:  ORAÇÃO INICIAL 1 OU 2
TEXTO BÍBLICO: “Era o primeiro dia da semana. Ao anoitecer desse dia, estando fechadas as portas do lugar onde se achavam os discípulos por medo das autoridades dos judeus, Jesus entrou. Ficou no meio deles e disse: ‘A paz esteja com vocês”. Dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos ficaram contentes por ver o Senhor. Jesus disse de novo para eles: ‘A paz esteja com vocês. Assim como o Pai me enviou, eu também envio vocês’. Tendo falado isso, soprou sobre eles, dizendo: ‘Recebam o Espírito Santo’.” (Jo 20, 19-22)
REFLEXÃO:  O Espírito Santo é representado como o sopro de Jesus Cristo ressuscitado. O evangelista João retoma aqui uma imagem da narração da criação, onde nos diz que Deus inspirou nas narinas do homem um sopro de vida (cf. Gn 2, 7). O sopro de Deus é vida. Ora, o Senhor inspira na nossa alma o novo sopro de vida, o Espírito Santo, a sua essência mais íntima, e deste modo recebe-nos na família de Deus. Mediante o Batismo e a Crisma recebemos este dom de maneira específica, e com os sacramentos da Eucaristia e da Penitência ele repete-se continuamente: o Senhor inspira na nossa alma um sopro de vida. Todos os Sacramentos, cada um segundo a maneira que lhe é própria, comunicam ao homem a vida divina, graças ao Espírito Santo que age neles.
Os discípulos alegraram-se ao ver o Senhor. Aquilo que Ele oferece não é uma alegria qualquer, mas sim o próprio júbilo, dom do Espírito Santo. Sim, é bonito viver, porque sou amado, e é a Verdade que me ama. No Pentecostes, esta expressão é destinada também a nós, porque na fé podemos vê-lo; na fé, Ele vem ao meio de nós e mostra também a nós as mãos e o lado, e nós alegramo-nos com isto. Por isso, queremos rezar: Senhor, mostra-te! Concede-nos o dom da tua presença e teremos a dádiva mais bonita: a tua alegria. Amém!
MEDITAÇÃO
CANTO:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...