sábado, 10 de março de 2012

Homilia da Liturgia do domingo - 11 de março de 2012

DESTRUÍ ESTE TEMPLO: EM TRÊS DIAS EU O LEVANTAREI!
(Liturgia do Terceiro Domingo da Quaresma)
           
Como é bom entrar numa casa e sentir o amor e o carinho que ali se vive através da organização, da limpeza e da beleza do ambiente. Mesmo que seja uma casa simples, sem luxo, mas cheia de encanto nas coisas que fazem memória do que une aquelas pessoas que moram ali. O contrário também é verdade!
            A casa onde se vive tem o poder de retratar muito mais do que móveis e utensílios domésticos. Ela pode expressar os laços, os sentimentos, a história, os gostos da família. A casa em que se vive é sagrada! E quando acontece algo que invade muito mais que o espaço, mas principalmente a vida daqueles que nela residem, ficamos atordoados. Quem já teve a sua casa invadida e roubada sabe o que sentiu. O que foi vilipendiado foi muito mais do que o patrimônio material; foi o patrimônio construído pelos relacionamentos dos seus habitantes, as coisas que viveram. 
            Jesus também vê a casa do Pai, o templo há pouco tempo reconstruído, no Evangelho deste terceiro domingo da quaresma, invadido, vilipendiado e ultrajado! Como nós, fica indignado e com raiva! Ele humano!
Para os hebreus o templo de Jerusalém evocava todo um passado feito de construções e reconstruções, fruto do desejo de Davi, concluído pelo filho, o rei Salomão, de dar a Deus uma casa, mesmo consciente de que nem mesmo o Céu pode conter ou deter a Deus.
O templo, de qualquer modo, é a “casa de oração para todos os povos”. Um espaço sagrado no qual se mantém o relacionamento com Deus. No tempo de Jesus o templo de Jerusalém era uma nova construção, não concluída ainda, começada por Herodes no ano 19 a.C.
Jesus já havia entrado no templo outras vezes. Lembremos a passagem de Lucas, quando Jesus tinha apenas doze anos e parecia inacreditável que estava, finalmente, na casa de Seu Pai, tanto que se “esqueceu” de tomar o caminho de volta a Nazaré, com Maria e José.
Jesus sempre soube o que acontecia naquele lugar sagrado. Mas chegou a hora, tendo começado a Sua vida pública, de realizar, como em Caná da Galileia, um novo sinal, de fazer um novo gesto. O templo tornou-se um lugar de mercado. Ao invés de encontrar pessoas apaixonadas por Deus, o que Jesus vê é gente ávida por lucro. A “limpeza” que Jesus pretende fazer tem o objetivo de levar a redescobrir o verdadeiro templo.
Podemos imaginar a confusão criada por Jesus que, naquele dia, deve ter agido muito estranho, talvez, exageradamente agitado e parecendo insano. Imagine Jesus chutando e expulsando e a reação dos mesmos que perguntam e Lhe pedem as credenciais que justificam o gesto: “mas que sinal nos mostras para agir assim”? Na resposta Ele identifica o Templo com o seu corpo: “Destruí este templo e em três dias eu o levantarei”! Os discípulos também não compreenderam imediatamente o gesto que Ele acabava de realizar. Na verdade, só compreenderam depois da ressurreição. É preciso entender que não trata, de fato, de uma simples lembrança, mas indica, ao contrário, compreender em plenitude, reviver, celebrar e interpretar à luz da Páscoa! Na verdade, o que recordaram é um versículo do Salmo 69: “o zelo pela tua casa me consome”. Isto é, o amor zeloso “ciumento” pela santidade de Deus e do seu templo.
Este “fogo” que consome equivale, para Jesus, ao fogo do amor que o fará morrer pela salvação do mundo, em adesão plena à vontade do Pai. O verdadeiro templo é o próprio Jesus. É neste momento, mesmo usando uma linguagem misteriosa, que Jesus convida os seus ouvintes a fazerem uma passagem do templo feito de pedras terrenas ao templo do Seu corpo. Este será o sinal: “destruí este templo e em três dias eu o levantarei”!
            Uma afirmação “absurda” que será usada pelo Sinédrio contra Jesus, durante o julgamento. Como pode um homem destruir uma construção, fruto do trabalho de quarenta e seis anos, para depois reerguê-la em três dias? Como para a transfiguração, o evento narrado hoje, nada mais é do que uma antecipação do mistério pascal, uma preparação para o evento grandioso da nossa salvação.
            A afirmação de Jesus, bem como todo o seu discurso, também para os discípulos será de difícil compreensão. Mas depois da morte e ressurreição, recordaram-se dessas suas palavras e compreenderam que ele falava do templo do seu corpo.
            Para nós, hoje, a imagem do templo se aplica à Igreja no seu sentido mais pleno, como também ao nosso corpo. Nós somos o templo vivo do amor de Deus, como nos lembra São Paulo: “Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo que Deus, que sois vós, é santo!” (1Cor 3, 16-17).
            A primeira leitura nos transporta à experiência do povo no deserto e ao recebimento do decálogo. O texto, bem conhecido por nós, destaca o fato de que o Antigo Testamento era marcado pela Lei. O homem deve viver no respeito o seu relacionamento com Deus, o único, que o fez sair da terra da escravidão do Egito. Mas deve também salvaguardar o relacionamento com o próximo. O templo, lugar no qual a Lei devia encontrar o espaço do sagrado, torna-se, pelo contrário, lugar do pecado, da ambição e do lucro. O templo do nosso corpo, hoje, é o espaço sagrado no qual devemos viver em plenitude o dom do decálogo, não como lei que amarra e aprisiona, mas como Palavra que liberta. O decálogo não é o “não” de Deus à humanidade, mas o “sim” do homem a Deus.
            De fato, em Cristo, a Igreja encontra a perfeição, restauração para a alma, sabedoria, alegria, luz, pureza e doçura. A Ele a Igreja renova a profissão de fé de Pedro: “Senhor, tu tens palavras de vida eterna”! (Jo 6,69). Os três versículos da primeira carta aos Coríntios contém todo o sentido do mistério da Cruz. O centro da pregação da Igreja não está na sabedoria, nos milagres ou no poder de Deus, mas na “fraqueza” da Cruz.  Deus se fez pequeno, humilde, vivendo em Jesus toda a natureza e fragilidade humana, exceto o pecado. É nessa “fraqueza” que está a força de Deus! Ele que é capaz de reedificar o verdadeiro templo em três dias, faz, em Jesus, a experiência do sofrimento e da morte para dar a todos a esperança de que a morte não é a última palavra e de que o homem foi criado para a vida e para a ressurreição!
(Frei Alfredo Francisco de Souza, SIA – Superior dos Missionários Inacianos – formador@inacianos.org.br – Website: www.inacianos.org.br).

Um comentário:

  1. ...traigo
    sangre
    de
    la
    tarde
    herida
    en
    la
    mano
    y
    una
    vela
    de
    mi
    corazón
    para
    invitarte
    y
    darte
    este
    alma
    que
    viene
    para
    compartir
    contigo
    tu
    bello
    blog
    con
    un
    ramillete
    de
    oro
    y
    claveles
    dentro...


    desde mis
    HORAS ROTAS
    Y AULA DE PAZ


    COMPARTIENDO ILUSION
    IR.SOLANGE

    CON saludos de la luna al
    reflejarse en el mar de la
    poesía...




    ESPERO SEAN DE VUESTRO AGRADO EL POST POETIZADO DE TITANIC SIÉNTEME DE CRIADAS Y SEÑORAS, FLOR DE PASCUA ENEMIGOS PUBLICOS HÁLITO DESAYUNO CON DIAMANTES TIFÓN PULP FICTION, ESTALLIDO MAMMA MIA, TOQUE DE CANELA, STAR WARS,

    José
    Ramón...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...