segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013


Dia Mundial dos Enfermos

 


Hoje, 11 de fevereiro, é dia de Nossa Senhora de Lourdes e dia dos enfermos. Em Lourdes, milhares de doentes encontram a cura, a conversão, o conforto, a esperança. Neste ano (2012) a Campanha da Fraternidade é sobre saúde publica. Temos sacramentos da cura: Eucaristia, Confissão e Unção dos Enfermos. Desde sempre Deus cuidou de nossas feridas. Se grande é a ferida, maior é a medicina de Deus. Jesus demonstrou especial atenção e carinho com os doentes.

A doença é uma experiência muito forte, porque nos aproxima da morte, revela nossa fragilidade e por outro lado é um caminho, uma experiência de conhecimento de si, de descobertas, de amadurecimento. Todo sofrimento é chance de humanização, de conversão, de santificação. A doença fala no fundo do coração. Quantas pessoas se reabilitaram, mudaram de vida, tornaram-se mais humanas e melhores, graças à doença.

A vida comprova que a experiência da doença pode provir do nosso descuido pessoal, dos problemas e negligências sociais, do estilo de vida que levamos e da providência Divina que nos visita em nossa doença. Nossas feridas tornam-se santuários do encontro com Deus e escola de compaixão com os irmãos. O grito dos doentes ecoa por toda a terra protestando contra a fome, a falta de políticas publica a omissão das autoridades, as desigualdades sociais como causas das doenças.

Crescemos muito nas conquistas tecnológicas em favor da saúde. Precisamos crescer mais na humanização, no afeto, no carinho com os doentes. Há uma farta literatura e infindáveis testemunhos que comprovam a força da fé na cura das pessoas.

Afeto e espiritualidade são remédios muito eficazes. Costumo dizer aos doentes que a melhor junta médica, compõe-se de três elementos: “a competência do médico, a positividade do paciente e a fé em Deus”. Esta junta médica derrota as doenças e cura o corpo, o coração, o espírito.

Humanização da medicina diz respeito ao relacionamento médico-paciente, ao atendimento hospitalar, ao clima humano no hospital por parte dos funcionários, visitantes e familiares. Jesus mesmo se identifica com os doentes (Mt 25,36). A visitação aos hospitais e o atendimento religioso, além de ser um direito do paciente, é uma oportunidade impar de colaboração e ajuda na recuperação dos nossos doentes.

Nosso zelo e amor pelo doente se expressa no interesse e participação pelas melhoras no campo da saúde, tanto em relação aos direitos dos médicos, como dos pacientes. Não pode o povo esperar seis a oito meses por uma cirurgia que em si seria de urgência. Os postos de saúde e outras instituições afins têm a obrigação de respeitar os direitos humanos e os direitos do paciente.

Nossos País, nossos políticos, nossas autoridades não investem na saúde como exige nossa realidade. Nos discursos em tempo de eleição, a saúde se torna um argumento eleitoreiro. Após as eleições, todos silenciam e as coisas, não raras vezes, pioram. A vida e, portanto a saúde é um bem primário e fundamental. Se no âmbito da saúde fossem observados os Dez Mandamentos da lei de Deus, a cultura da vida e a prioridade da saúde teriam voz e vez.

 

 

Dom Orlando Brandes

Arcebispo de Londrina

Folha de Londrina, 11 de fevereiro de 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...