quinta-feira, 8 de maio de 2014

4O. DOMINGO DO TEMPO PASCAL - 2014

A CORAGEM DE ABRIR PORTAS

“Eu sou a porta. Quem entrar por mim será salvo; entrará e sairá e encontrará pastagem”  (Jo 10,9)

“Entrar” e “sair” pela porta:  aí está a experiência de viver a vida ressuscitada em toda a sua plenitude e de “saborear” a existência em toda a sua promessa.
Nela está o ritmo do andar, o desejo da busca, a estratégia para viver com sentido, o segredo do ser.
“Entrar” e “sair”, ou seja, viver cada momento na totalidade de seu sentido e na profundidade de sua presença. “Entrar” e “sair” em cada evento cotidiano significa experienciá-lo por completo.
Nosso problema é que vivemos de modo incompleto. Não vivemos totalmente.
E vivemos nossa vida de modo incompleto porque vivemos cada situação de modo incompleto.
Não “entramos” por inteiros em cada situação, em cada vivência, em cada atividade... e não “saímos” totalmente de nenhuma.
Sempre de modo incompleto, sempre com hesitação, divididos entre diferentes afazeres, com um pé numa margem e outro pé na outra. Não é estranho que fique o sabor duvidoso de fazer tudo pela metade, de não nos entregar totalmente a nada, de não viver a vida em sua plenitude, porque não vivemos cada situação em sua totalidade.

A porta é uma realidade e é um símbolo. “Entrar” e “sair” pela Porta que é o próprio Cristo Ressuscitado, desata em nós a consciência de sermos “portas abertas em nossa interioridade”.
A experiência de “entrar” e “sair” da porta da interioridade é preparação para “entrar” e “sair” com leveza alegre em cada circunstância da vida, para viver cada momento em sua totalidade vital.
Minha casa é onde estou, quando vivo plenamente onde me encontro em qualquer momento, quando esta-beleço contato com tudo o que está ao meu redor, quando não sou estrangeiro nem hóspede em nenhum lugar, pois o mundo é o meu lar, o momento presente é minha existência.

O ser humano “pós-moderno” perdeu a direção da interioridade; dentro dele há um “condomínio” onde portas se fecham, chaves se perdem, segredos são esquecidos... e mergulha na mais profunda solidão esté-ril. Vive perdido fora de si mesmo e não consegue colocar as grandes perguntas existenciais: “de onde venho? quem sou? para onde vou? quê devo fazer?...”
Muitos já não conseguem mais recolher-se e voltar para “dentro” de si, para recuperar o centro gravitaci-onal de sua vida, o ponto de equilíbrio interior. As instituições (família, educação, religião...) também fo-ram, ao longo do tempo, descuidando das vias de acesso ao interior, permanecendo na superfície...
Vivemos um contexto social e cultural no qual se constata um modo de vida que não favorece o contato profundo consigo mesmo, com os outros, com o Criador. Seduzido por estímulos ambientais, envolvido por apelos vindos de fora, cativado pela mídia, pelas inovações rápidas, magnetizado por ofertas aluci-nanes... o ser humano se esvazia, se dilui, perde a interioridade e... se desumaniza. Tudo se torna líquido:  o amor, as relações, os valores, a ética, as grandes causas... (cf. Bauman).

Somos vítimas da chamada “síndrome da exteriorização existencial”. Temos dificuldades de introspec-ção, silêncio, reflexão, contemplação... Não aprendemos a velejar nas águas da interioridade.
Vivemos a “era do vazio”, “tempos de inércia e passividade”, em que a superficialidade se apresenta como ideal de vida e as grandes aspirações se reduzem ao consumismo e ao narcisismo. Tudo convida ao descompromisso e à mediocridade. A vida pós-moderna apresenta-se cada vez mais como um caminho sem meta, um vagar à deriva, sem horizontes. Esta desarmonia interna é exteriorizada gerando uma desarmonia na relação com os outros, com a natureza e com o Criador.
O caminho de nossa vida entra em colapso, pois não sabemos para onde vamos porque não sabemos onde “estamos”.
                    * Até quando estarei vivendo em um lugar e almejando outro?
                     Estou onde estou. Vivo onde vivo. Esta é a minha casa.

No caminho do Seguimento percebemos que há portas que já se abriram e que nos permitem transitar pelos caminhos da vida; há portas que devem manter-se fechadas, para deixar para trás estilos auto-centrados que nos afastam de Jesus e dos outros; por fim, há outras portas que devem se abrir, para que um novo ar renove nosso interior e nos encha de fé, esperança e amor.
“Abrir portas” é abrir-nos às novas possibilidades, ao futuro, ao encontro, à vida expansiva... Sabemos, por experiência, a alegria que nos acompanha quando nos abrem uma porta, cruzamos o umbral e nos chega o abraço, a acolhida e nos é oferecido o dom de uma amizade.



Para reavivar a graça pascal precisamos:
- Abrir a porta da caridade e da misericórdia, sendo agentes transmissores da bondade e da ternura de Deus; abrir esta porta e mantê-la aberta, mesmo que entrem fortes ventos ou pessoas inesperadas;
- Abrir a porta para o novo, o diferente, superando toda suspeita, preconceito e medo; porta  que nos possibilite compartilhar e aprender com todos os homens e mulheres de boa vontade para assumir os desafios mais cruciantes da humanidade de hoje;
- Abrir a porta aos pobres, reforçando a simplicidade como modo de vida e a solidariedade como proposta ousada;
- Abrir a porta do encontro que é a chave de nossa cultura; que passemos e ajudemos a passar da chave da separação e da distância à chave da proximidade e do encontro;
- Abrir a porta da comunicação direta, simples, inclusiva, transparente, próxima e fraterna.
- Abrir a porta para denunciar a desigualdade social e econômica que produz tanta dor e tantas vítimas;
- Abrir a porta que nos leve a um compromisso com a ecologia, o meio ambiente e o cuidado da natureza;

“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo” (Apoc. 3,20). O convite é todo feito de ternura, de desejo e de liberdade, in-troduzindo-nos num movimento interior.
Como sempre é Deus quem toma a iniciativa. O Espírito procura entrar para fecundar, recolocar em ordem, restaurar, unificar.

Texto bíblicoJo 10,1-10

Na oração: que saibamos discernir, diante de tantas portas que temos

                       atrás de nós, junto a nós e diante de nós, qual deve ser nosso proceder. As portas não se abrem e nem se fecham sozinhas; é preciso uma chave e ela está em nossas mãos. Cabe a cada um decidir: que a casa do  nosso coração  seja a casa da humanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...